segunda-feira, agosto 13, 2007

Campanha Biblioteca ESPM

Decidi postar o texto que enviei pra matéria na íntegra aqui, para maiores esclarecimentos (de quem eu não tenho idéia).

Passei um bom tempo escrevendo pra reportagem colocar só uns dois ou trê trechinhos, vou desfazer a injustiça e colocar finalmente o nome da Camilla na campanha, hehehehe


Aqui está:


O briefing pedia uma comunicação voltada para os usuários da biblioteca, tanto alunos quanto professores, para lembrá-los dos diversos serviços oferecidos além do vasto acervo de livros, que segundo muitos pensavam, era tudo o que podia ser aproveitado da instituição. A Camilla, redatora da dupla, e eu fomos fazer uma “pesquisa de campo” e percebemos como isso era verdade, principalmente no caso das bases de dados. É impressionante como todas essas informações, algumas delas que poderiam embasar um trabalho completo, estavam lá ao alcance de alunos e professores, e apesar disso os terminais ficavam vazios a maior parte do tempo. O comentário que fizemos foi que se todos soubessem de como elas são úteis, haveria fila pra serem utilizadas. Sabendo disso, tínhamos que comunicar o que muitos estavam perdendo por falta de informação, as bases de dados, a biblioteca digital, a videoteca, os periódicos, etc. Entre as várias idéias, brincadeiras com dados e Phillip Kotler, havia a tal velhinha, que representava a idéia geral que se tem das bibliotecas: lugares antigos, empoeirados e com uma bibliotecária ranzinza que implica com todos. Depois de algumas reuniões com o Heraldo, diretor de criação da AgESPM, concluímos que a velhinha apresentaria os serviços da biblioteca de uma forma diferente, segundo sua personalidade e experiência. Depois de trabalhar a vida toda em bibliotecas antigas e empoeiradas, a “mocinha” é transferida para a Biblioteca Central da ESPM, onde se depara com um sistema totalmente novo e moderno. Externamente ela se coloca contra essa modernidade toda, achando tudo um absurdo, pois em sua época nada daquilo era necessário. Lá no fundo, no entanto, devagarzinho ela vai se deixando levar pelas facilidades e novidades oferecidas pela biblioteca, mas procurando sempre manter seu aspecto de durona. À essa personalidade somamos a imagem de uma velhinha severa, mas carismática, que lembrará a todos tudo aquilo que a Biblioteca ESPM tem a oferecer. A idéia é que ela continue fazendo parte da identidade da biblioteca, para comunicar cada nova mudança que possa ocorrer, e também auxiliando os usuários dentro da instituição.

Lucas Rocha OSIS

E abaixo estão alguns dos cartazes e o logo novo, feitos para a campanha:






2 comentários:

André disse...

esses eu ja tinha visto, mas não teve mais outros cartazes não é?

LRO disse...

tinha mais um... e outro q foi parar na reportagem, feito depois da nossa saída da agência (apócrifo!)